'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

12 março, 2008

A rotina é a sanguessuga dos sonhos

Photobucket

rodou duas vezes a chave depois de bater a porta. tirou os sapatos gastos de pisar dias e arrumou-os à entrada. abriu o velho frigorífico. fechou-o. aqueceu a comida feita há dias e que lhe vai forrando o estômago nas noites, e acendeu a televisão. sabia de cor o que passaria em cada canal desde a precisa hora em que se sentava no sofá até àquela em que desligava o aparelho. ria, chorava, apaixonava-se e julgava-se igual às personagens que lhe preenchiam as noites. vivia por substituição. de vez em quando o telefone tocava. e aí vestia a sua personagem de mulher independente e dizia.
- está tudo óptimo
mas a verdade é que há muito que não sabia o que era afinal estar tudo bem. perguntavam-lhe e a resposta saia maquinalmente.
- está tudo óptimo
o emprego certo, o dinheirinho ao final do mês, a casa alugada nos subúrbios da velha cidade, a missa aos sábados, os almoços em família aos fins-de-semana, o passeio de tarde aos domingos
- está tudo óptimo
a voz segura, as certezas nas palavras, a atitude madura, os passos certeiros
- está tudo óptimo
as onze horas e trinta minutos a bater no relógio avisavam-na da hora de dormir. obedeceu. maquinalmente carregou no botão off do comando da televisão, pegou no pequeno tuppeware de etiqueta amarela que reservara no fim-de-semana para o dia seguinte
- cozido à segunda, estofado à terça, sopa à quarta, umas sandes à quinta. e sexta logo se vê, talvez vá àquele restaurante perto do trabalho. dizem que fazem lá uns bifes muito bons.
apagou as luzes e fechou os olhos. dormiria oito horas certas, sem sonhos (a rotina é a sanguessuga dos sonhos). amanhã recomeçaria tudo outra vez.
- (está tudo óptimo).


Por isso, disse para mim mesmo que tinha de levar aquele.
Porque o Pai dizia que os relógios matam o tempo.
Dizia que o tempo está morto enquanto se for esgotando
no tic-tac de minúsculas rodas de engrenagens;
só quando os relógios páram é que o tempo ganha vida.
Os ponteiros estavam estendidos, não rigorosamente na horizontal,
mas com uma ligeira inclinação, como uma gaivota planada ao vento.
Prenúncio de tudo o que me costuma entristecer,
como a Lua nova é prenúncio de chuva, como os negros dizem.
Foto: Katia Chausheva
Excerto: William Faulkner

9 comentários:

Vanessa disse...

o som e a fúria?

estou esmagada. perplexa. eu sei lá.

(isto está lindo lindo lindo! e quem é que canta lá em baixo?)

aiiiiieeeeee!

Por entre o luar disse...

:) Fenomenal:)

Amei,adorei.. boa escolha=P

Beijinhos e sorrisinhos grandes:D

Eyes wide open disse...

Sábio, muito sábio...


*

un dress disse...

belo muito belo

e sábio como

belo e

belo como

renovar...

ninguém disse...

estas roupas novas ficam-te bem...

abraço

vertigo disse...

Adorei o novo design.lindo :)

Andreia Ferreira disse...

Vertigo: Brigadaaaaa :) Beijo menina!!

Ninguém: prova de que as coisas simples são sempre as mais bonitas :p Beijo!

Un dress: Ora aí está uma BELA palavra: renovar :)

Eyes Wide Open: From my favourite book :)

Por entre o luar: Beijinhoooo menina sorridente :)

Vanessa: As I told yesterday, sim, Som e a Fúria! E lá em baixo é uma menina linda a cantar :) Beijinho

Canelita disse...

A minha certeza é precisamente essa...a rotina é a pior inimiga dos sonhos e no fundo da felicidade!
Simplesmente belo e sábio! Adorei, assim como do novo visual!
Beijinhos!!!

Andreia Ferreira disse...

Canelita: Deitamos então a rotina para dentro de uma caixa, fechamo-la à chave, pomos aqueles óculos em formato de coração (à Sweeney Todd) vernelhos, e vamos passear pela ria. Vale?? ehehehe. Beijinho.

Arquivo do blogue