'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

19 janeiro, 2008

O sorriso de volta



Rodou a maçaneta da porta. A luz das amoras. A água quente. O cheiro dele. Ele. Os lábios a tocarem-se. Os corpos a unirem-se. A água. Os dois. O reencontro e a perfeição. Não era assim que tinha sonhado. Imaginava que falariam. Dos anos que passaram com o coração no passado. Das luas, do mar e dos campos. Das mãos cheias de desencontros. Que por estarem velhos não quereriam mais o corpo um do outro.
Mas como ela tinha sentido falta das mãos dele. Tinha-se apaixonado por elas, tinha a certeza. Os dedos grandes, seguros, a pele quase macia. A água. Os dois. Outra vez. Voltou a viver.


Não a ouvia há largos minutos.
- Vais demorar muito? Depois eu é que pago a conta...
Que raio de mulher. Pensava ele. Quanto mais velha pior.
O silêncio. A espera. Até que ele se levanta do sofá. Passos no corredor. A maçaneta da porta. Uma vela vermelha acesa. O negro. O corpo da sua mulher debaixo da água gelada.
- Sabes que debaixo de água entramos num mundo novo, com sons diferentes? Os peixes é que devem ser felizes!
Dizia-lhe ela.
Morta. Estava morta. E sorria.


Woman so weary Spread your unbroken wings Fly free as the swallow sings Come to the fireworks See the dark lady smile She burns… And the night sky blooms with fire And the burning bed floats higher And she’s free to fly… Burn this night Black and blue So cold in the morning So cold without you And the night sky blooms with fire And the burning bed floats higher And she’s free to fly Y la noche que se incendia, Y la cama que se eleva, A volar… And of the dark days Painted in dark gray hues They fade with the dream of you Wrapped in red velvet Dancing the night awayI burn…

Música: Caetano Veloso e Lila Downs Fotos: Katia Chausheva

7 comentários:

~pi disse...

enquanto o tempo escurece


convocando sombras


ser apenas o tecido


modelada carne


que amanhece




tenra água flor de lis




rio de ocorrência clara





*

Mateso disse...

Um reviver morto. Um nada. O silêncio.
Lindo mas triste.
Bj.

Lizzie disse...

O silêncio. A espera.
Morta. Estava morta. E sorria.

Grande, mesmo !

Tinta no Bolso disse...

e os mortos, não podem ter motivos para sorrir?

Andreia Ferreira disse...

Um beijo a todas!!

P.S. para tinta no bolso: esta tinha ;)

***

Spectrum disse...

Escreves o amor de uma forma belissima, Andreia!
Beijinhos.

Por entre o luar disse...

Porque os sorrisos persistem... até mesmo nas horas mais infelizes=P dão outro brilho ao momento**

beijinhos e mil sorrisinhos*

Arquivo do blogue