'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

07 junho, 2007

Voltas às setenta e quarenta horas?

"O Hermes levanta-se, puxa o braço da irmã e diz:
- Ela está a dizer que a mãe volta às setenta e quarenta horas...
A Iris ri-se sozinha. A Ana e a Elisa olham na sua direcção e sorriem. A Ana diz:
- Oh...
A Íris, no meio de rir, diz:
- Volta às mil horas.
A Ana, a rir-se, olha para a Elisa e roda o indicador na testa. A porta abre-se de repente. A minha mulher, sem entrar, chama a Íris. Vem buscá-la para dormir uma sesta. O Hermes começa a fazer uma birra. Quer que a prima continue a brincar. A minha irmã começa a ralhar com ele. Ele vai começar a chorar, vai mesmo começar a chorar, quando levanta o carrinho dos bombeiros e o atira para o chão com toda a força.
A Íris tem quase três anos. Chega-se ao pé dele, encosta o dedo aos lábios e, muito séria, só para o Hermes ouvir, diz-lhe:
- Não choras. Eu vou dormir a sesta com a avó, mas volto ontem. Está bem? Volto às setenta e quarenta horas.
E deu-lhe um beijo na face."

Também te espero lá. Às setenta e quarenta horas. Com o relógio dos sonhos.




[Excerto: Cemitério de Pianos, José Luís Peixoto
Foto: Maria Isabel Baptista]

8 comentários:

Bruna Pereira disse...

Eu também quero um relógio desses. Que me deixe dormir no sonho dos ponteiros para lá dos ponteiros para lá dos ponteiros.

Bonito. :)

Cristina Nobre Soares disse...

Belo relógio. Belo sonho.

bjs

Mateso disse...

O tempo sonhado da infância em relógio de brincadeiras...
Fresco e lindo.
Bjs.

Vanessa disse...

Esses relógios compram-se nas lojas chinesas? Assim baratinhos?

:)

musalia disse...

esse ainda não li, só o começo:)

Vanessa disse...

Saudadinhas [ muitassssssss ] de te ler!

:)

*

Andreia Ferreira disse...

Eu volto um dia destes. Quando arrumar a minha vida desarrumada! :)

Obrigada!
Beijinho.

s. disse...

bom excerto. por acaso já li algumaa coisas dele mas o cemitério de pianos nunca me chamou a atenção. tenho que realaviar essa situação :)

Arquivo do blogue