'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

13 abril, 2007

A mulher e a sombra


Umas botas altas. Demasiado altas, até. O cabelo preto escorre-lhe pelas costas. E a linha escura que teima em desenhar nos olhos faz-lhe buracos no rosto.
Ao seu lado caminha um homem. O seu homem em tempos. Hoje, não mais do que uma sombra. É que as sombras, dizem, não falam, nem sequer nos ouvem. Só insistem em pesar-nos nos pés.

(O que lhes terá acontecido?)

Não os conheço. Nem à mulher nem à sombra. Mas imagino-os sentados, lado a lado, numa estação de comboios. Num dia solarengo. A falar com as couves que crescem ao lado.
(Não sabem dizer mais)

À espera que o próximo comboio (que ainda não ouvem) tenha lugar para apenas mais um. E que passe depressa. Muito depressa. Para que o corte das correntes que ainda os aprisionam não deixe marcas.

2 comentários:

Vanessa disse...

Acontece que me canso de meus pés e de minhas unhas, do meu cabelo e até da minha sombra. Acontece que me canso de ser homem.

Pablo Neruda

...

Ando com este excerto a ecoar dentro da minha cabeça. Talvez ele sinta o mesmo. E ela se canse, também, de ser mulher... Talvez.

Bruna Pereira disse...

"Pensei que a melhor coisa do mundo devia ser a sombra..."

Sylvia Plath

Esta frase está-me à muito na cabeça... Recordaste-ma.

:)

Arquivo do blogue