'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

05 abril, 2007

[ ? ]


O que se faz às palavras que ficam por dizer?
(Foto: Augusto Peixoto)

11 comentários:

Bruna Pereira disse...

Isso gostava eu de saber, amiga.

(É o fenómeno do ser humano maior que conheço.)

Beijinhos....

musalia disse...

guardamo-las na caixinha que temos no peito...para mais tarde :)

um abraço.

Vanessa disse...

Dizêmo-las mais tarde... :)

Beijinhos*

Bruna Pereira disse...

Hoje lembrei-me que ontem falámos.
Ontem não foi um bom dia. Há muito que não tenho um bom dia, de facto. O que é um bom dia? Não sei. Não sei decorar um bom dia para depois saber que os outros não o foram, isso, bons dias. Raios partam os bons dias. Se tens um, depois os outros são sempre piores...

Enfim... Só para dizer obrigada e já agora "Bom dia!!!"

Até amanhã :)

Menina dos olhos de água disse...

Bruna:
Não sei o que é um bom dia. Mas desconfio que é um daqueles em que não pensas muito. Quando te sentas num dos bancos de um comboio atolhado depois de um dia de trabalho como tantos outros, pegas nos sacos que trazes na mão, oferece-los ao teu marido que se senta ao teu lado, pegas no telemóvel que não tem saldo mas anda sempre contigo e te poes a jogar. E ris porque perdes. E ris porque ganhas. Ris porque vais para casa, preparar o jantar. E ris porque ao teu lado o teu marido ri contigo. Também ele com o telemóvel dele na mão. As sacolas na outra. E riem juntos. E não pensam. E não falam sequer.

Não sei se é isto um bom dia. Sei que os vi hoje. Não sei como se chamam. Não sei nada sobre eles. Mas pareceram-me felizes. Pareciam estar a ter um bom dia. Sem pensar.

Até amanhã :) Tenho a certeza que vai ser um muito bom dia!!

Aesis disse...

Respiramo-las... mesmo que na ausência de fôlego.

Imagem deslumbrante.

;)

Menina dos olhos de água disse...

Aesis,
Obrigada pela visita. E bem-vindo :)

Beatriz disse...

Eu hoje não quis dize-Las e Ele disse-As por mim. Deu que pensar. Ás vezes se aprofundar-mos os medos que nos calam, descobrimos que não têm razão de ser.

:)

Ana Rita disse...

Ficarão sempre inquietas até serem ditas!!

Bjinho

Rafaela disse...

Vives delas... :)

joão marinheiro disse...

O que se faz às palavras que ficam? Acho que já não se faz nada. O tempo avança e o nó na garganta, o sufoco, fica a diluir as palavras ditas por dizer.
Forte em demasia a tua questão.
Abraço, hoje, atrasado no tempo.
( A musica é fantastica)

Arquivo do blogue