'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

20 junho, 2008

Com as luzes apagadas

Robert Gojevic
.
.
tinha decidido fechar o coração à chave. em vez disso abria o corpo a quem parasse à sua janela e a olhasse.
até que o corpo se cansou e começou a tremer. nunca tinha sentido nada de semelhante. as mãos primeiro num desassossego, as pernas depois, todo o corpo de seguida.
desejou então que lhe contassem uma estória de princesas, fadas e jardins secretos, como quando vivia de olhos fechados, no sonho. mas os monstros que tinha deixado ficar na sua casa sabiam apenas de entradas forçadas e violentas. nunca tinham ouvido falar de um rosto encostado a um peito, de abraços apertados ou de palavras sussurradas durante o sono. quis livrar-se deles mas a fechadura do seu coração há muito que estava enferrujada, não havendo, portanto, chave que a libertasse.
.
.
[Foto: Robert Gojevic]

18 comentários:

Tinta no Bolso disse...


 

Andreia Ferreira disse...

e onde é que se arranja um S. Jorge para acorrentar os monstros? :) *

Por entre o luar disse...

amei adorei simplesmente lindo:)

Beijinho e sorrisO*

verdades_e_poesia disse...

Adoro fechaduras enferrujadas, que lembrem a rectidão dos sentidos/sentimentos *

G.D.M. (Wolf) disse...

fechaduras que não abrem...

provavelmente será verdade..
no entanto e para a minha boa sanidade sinto que td teêm um tempo..um local..e uma chave ..que abre sempre a mais enferrujada das portas..

beijinho adorei ler..

Sombr|A|rredia disse...

... a negrura do olhar tb pode enferrujar corações...

~pi disse...

direi por exemplo nada de chaves e sim

que "só se vê bem com o coração", digo,

com as luzes apagadas ~

M. disse...

que bonito.

há sempre maneira de abrir fechaduras à força..


Wrap me in your marrow, stuff me in your bones
sing a mending moan, a song to bring you home

:)

S. disse...

Corações que se fecham...não deixam sair os fantasmas nem entrar quem possa trazer a luz.

nana disse...

o passado era o seu sonho,

quando todos os outros sonhavam o futuro




..

Andreia Ferreira disse...

nana: acho que ela sonha o futuro, mas um futuro com luzes do passado. :) beijinho

s.: porque têm medo que não haja ninguém que lhes traga luz. beijinho

m: obrigada. :) eu espero bem que sim! Beijinho.

~pj: e quando o coração está cego? kiss

Sombr|A|rredia: acho que ela - essa negrura - resulta de corações enferrujados. Bisou

G.D.M. (Wolf): I hope so. Welcome :) Beijinho.

verdades_e_poesia: não sei se existem sentimentos rectos, ou pelo menos não sei se acredito neles, mas acho que "ela" gostava que não existisse fechaduras. :) Beijinho

por entre o luar: obrigada. :) Beijinho

diana disse...

Adorei o teu blog... as tuas palavras, a tua forma tão doce de demonstrar sentimentos. Vou voltar, sem dúvida.

diana disse...

Adorei o teu blog... as tuas palavras, a tua forma tão doce de demonstrar sentimentos. Vou voltar, sem dúvida.

isabel mendes ferreira disse...

sítio certo este o do encontro com o "jardim".


.

Vanessa disse...

É que eu ando tão perdido
eu já tinha decidido ser feliz para sempre

Que raio de atitude posso eu comprar
para ser o que ela quer sem ter de mudar?

E depois? E depois? Que foi feito de nós os dois?
Pois... Pois... O dois vem sempre depois...


Pluto

mudar de fechadura implicará mudar de coração...?

beijinho*

Andreia Ferreira disse...

vanessa: não sei. sabes que não percebo muito de fechaduras, mas imaginemos uma pregada a uma coração cheia de ferrugem. ao ser mudada (arrancada) por causa da ferrugem se calhar deixaria algumas mazelas... acho que uma fechadura enferrujada precisa de muita muita paciência para voltar a ser aberta. :) Beijinho!

isabel mendes ferreira: :) o que eu dava por um jardim agora... beijinho.

diana: obrigada e bem-vinda. :) Beijinho.

Ana disse...

ouch... tens andado com as mãos em fogo:)

deixaste-me com água nos olhos;) *
[o que não é obrigatoriamente mau...]

Andreia Ferreira disse...

ana: :) não, não é. em primeiro lugar é sinal que estamos vivos! obrigada! Beijinho

Arquivo do blogue