'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

05 janeiro, 2008

Uma bomba relógio no peito


É melhor
fechares
os olhos,
meu
amor,
antes que o
mundo
inteiro seja um
incêndio.
Os ventos todos
fechados dentro
da minha mão.
quantos ciclones
queres?
Procurava
nos outros a
ternura,mas
só encontrava
poços cheios
de ódio e
nitroglicerina
Aquele
poema,
ao contrário
dos outros,
tinha pólvora.
só lhe faltava
o rastilho.
Éramos
rebeldes por
sistema,
a sonhar uma
revoluçao por dia.
àtardinha,
na esplanada,
bebiamos um
cocktail molotov.
O terrorista
apaixonado
carregava, às
escondidas,
uma bomba
-relógio. era
no peito. era o
coração.
Em contagem decrescente
Dez, nove, oito, sete
Cresces
Seis, cinco, quatro
E entras dentro de mim
Três, dois, um
Fogo de artifício.
Constelações de estrelas.
O teu olhar que queima.
[Foto: Graça Loureiro
Música: Naifa]

16 comentários:

Por entre o luar disse...

Tão bonitO:P Aliás como sempre**

Beijinhos sorridentes=P

rosasiventos disse...

sempre a guerra: a conter-se no mesmo invólucro.

~pi disse...

eu quero

ser inventada

como

chama

como linha

corpo d´ água

que não sabe

onde

c

a

i

a

.


.

Vertigo disse...

Epá,isto deu cabo de mim.em contagem decrescente (...)

e a bomba relógio no peito..sei tão bem como é.a maldita ;)

Beijinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

Muito bonito.

A foto da Graça muito bem escolhida.

Beijo

un dress disse...

CONSTELAÇÕES



As estrelas mostram-se hostis a qualquer tentativa de aproximação. Em alguns milhares de anos, tudo o que conseguimos fazer foi agrupá-las em constelações. Mas será que a última estrela da cauda da Ursa Maior sente alguma identificação com uma das estrelas da cabeça? Duvido. E o mesmo se passa com as estrelas de Andrómeda, Orion, Centauro, Cãssiopeia. A sua – como a nossa – solidão é enorme.



Jorge de Sousa Braga







lembrei-me deste pooema...




:)

Tinta no Bolso disse...

só quero tudo o que arda

nada mais.

Abssinto disse...

Explosivo. Simpatizei com os amantes anarcas.

bj

luci disse...

era um sonho

: era era

vermelhas

eram as heras

que eras

e eu

: era era

tempo

grito

ave

pio

fera




(:

Vanessa disse...

Adoro. Adoro. Adoro este blog. Porque te adoro a ti. :) E vejo aqui, sempre, um pedacinho de mim.

*

Mateso disse...

As estrelas? Brilham na noite, escondem-se do dia, mas cintilam sempre no olhar ,mesmo quando o coração explode.
Lindo
Um beijo.

Andreia Ferreira disse...

Mateso:
Especialmente quando o coração explode, não é? :) Um beijo grande também para ti querida!

Vanessa:
Eu também gosto muitoooooo de ti menina dançarina! Vês um bocadinho de ti porque somos realmente parecidas em tanta coisa... :) Um xi coração gigante gigante!! E a cerveja está à tua espera! :D

Andreia Ferreira disse...

Luci:
:) ***

Abssinto:
Eu cá simpatizo com amantes ... :p
Bisou!

Tinta no Bolso:
E com fogo. Sim, simpatizo com fogo :) ***

Un dress:
Não conhecia o poema. Bonito. Às vezes também compartilho dessa solidão das estrelas... Um beijinho!

Piedade:
Obrigada :) Um beijo

Vertigo:
E não achas que ela é um espectáculo?! :) :)
Beijinhoooo

~PJ:
:) Muito bonito também!

Rosaiventos:
Queria arranjar uma forma bonita de dizer que o teu comentário me tocou por teres percebido exactamente o que eu quis dizer... Como não sei dizer de outra forma, fica esta :)

Por entre o luar:
Um beijinho menina bem-disposta!! :)

Spectrum disse...

A explosão dos sentidos e as emoções tão bem descritas, Andreia!
és genial, sabias?
Beijos miúda dos olhos lindos

José Alexandre Ramos disse...

está tão bem escrito! Parabéns!

Andreia Ferreira disse...

Spectrum:
Oh, não digas isso que eu fico um bocadito envergonhada... Até porque não é assim tão verdade. Mas pronto... Muito obrigada pelo carinho :) Um beijo!

José:
Obrigada também a ti! :) Beijinho!

Arquivo do blogue