'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

23 outubro, 2007


"As pessoas são momentos breves que desiludem"


li esta frase há uns meses, já longos, atrás. e ela ficou a ecoar-me na cabeça. até hoje.
momentos que desiludem.
as pessoas.
desilusões. desilusões.
e pensei em ti.
- Porquê?

e desiludias-me. eu acreditava que sim.
hoje queria dizer-te que já não sei nada. que foste uma trovoada passageira na minha vida.
mas foste verdadeiro.
queria dizer-te que és, afinal, quem menos me desiludiu.
- Fechas a porta.
Dir-me-ias tu se ainda estivesses aqui.
era o que eu gostaria de fazer. fechar todas as portas.
mas tu sabes que nunca soube de despedidas.
que prefiro as manhãs por serem de recomeços e encontros.
hoje sei que és tu quem nunca me desiludiu.
e sinto a tua falta. outra vez.
eu que já tinha decidido fechar a tal porta. a tua.
voltaste e voltaram as saudades.



(E esta carta afinal nem deveria ser sobre ti.
Mas levaste-me no último abraço.
E só sei falar indo buscar-me)


[Foto: Sérgio Redondo]

19 comentários:

Bruna Pereira disse...

Deixo uma lágrima.
E um beijinho*

Vanessa disse...

As pessoas são momentos breves que desiludem.

Sim. *

joão marinheiro disse...

Olá Andreia, não me importo que uses as palavras que um dia escrevi, se elas servirem para algo. Melhor. Deixam de ser palavras inúteis, como as palavras que escrevia nas cartas, também eu, nas saudades que ainda sinto, demasiadas vezes. Isto do amor é complicado eu sei. Serei sempre um buscador do amor-perfeito, e sinto como tu...
Gosto mesmo muito das tuas palavras aqui.
O meu abraço juntinho ao mar que acorda pela manhã.

Andreia Ferreira disse...

Bruna: :) Outro para ti. Que me deixas sempre tanto. Que és tanto.*

Vanessa: _______________*

João: Fizeste-me chorar... É bom saber que alguém sente como nós. Que não estamos solitários nesta busca de mais alguma coisa. E sim, sinto tantas saudades. Outra vez. Acho que me vão acompanhar pela vida. Mais fortes a cada desilusão...
Um abraço pela manhã, junto ao mar... Acho que era mesmo disso que eu precisava agora.
Obrigada :)

PostScriptum disse...

Nunca estamos sós, menina dos olhos d´água..
Beijinhos

Flávia Vida disse...

[é assim sempre ...
a saudade quando não cabe mais no peito, transborda nos olhos]

tão lindo e tão triste ...
tão doloroso sentir saudade e não poder matá-la ...

beijinhos
:)

Por entre o luar disse...

HeLLoo...:)

Sempre linda nos textos... texto perfeito, afinal há certas pessoas que são isso mesmo, breves momentos que nos desiludem... e é tão cruel quando isso acontece!

Era bom se nunca tivessemos pessoas dessas nas nossas vidas, mas infelizmente, são cada vez mais;)

Beijo grande**

Bruna Pereira disse...

Apeteceu-me vir aqui outra vez dizer que estou farta de algumas coisas. Que mesmo que isto não tenha nada a ver com o post, estou mesmo farta de algumas coisas e pessoas...

Que desilusão estar farta de coisas e de pessoas. Não era suposto acontecer sempre o mesmo, pois não?
(Desilusão):(

NOTA: (Preciso que me contes a estória dos braços que te contei rapidamente!!!)

V disse...

O nome da ausência
Albano Martins

O sotão: era ali
que o mundo começava. Ainda
não sabias, então,
quantas letras te seriam
necessárias para soletrar
o alfabeto dos dias, para encher
a tua caixa
de música, a tua concha
de areia.
E ainda o não sabes hoje. Com cinza
nada se escreve a não ser
as vogais do silêncio. E este
é o nome que se dá à ausência,
quando a noite e a poeira
dos astros pousam
na ranhura dos olhos.

O Profeta disse...

No encanto aqui passei, volto se não te importares...


Beijinho

Vertigo disse...

Um texto escrito por ti,que em nada fica atrás dos grandes poetas que por aqui passam...soubeste descrever a saudade,de uma maneira tão bonita...pessoas especiais que por nós passam,deixam sempre uma doce melancolia (...)

Um beijo,olhos de água ;)

Andreia Ferreira disse...

Postscriptum:
Se não estamos, às vezes sentimo-nos. Pelo menos eu sinto ;)

Por entre o luar:
Obrigada. Mas o melhor do texto nem sequer é meu... Mas sim, era tão bom que não nos desiludissemos uns aos outros.

Bruna:
Essa estória de facto é um bálsamo... Só de me lembrar já me parto a rir... :D

V:
Sim, a ausência é acima de tudo um grande silêncio. Não conhecia. É lindo :)

Profeta:
Volta, se quiseres. Serás sempre bem vindo.

Vertigo:
Ohhh... És uma querida... Mas infelizmente não é verdade. Quem me dera chegar-lhes aos calcanhares... :) É pena não existirem mais pessoas especiais, muitas pessoas especiais como diz uma música que agora anda aí a tocar... ;)

Um beijinho grande a todos!

dora disse...

( muito bonita a musica do ben harper )

Abssinto disse...

Fecha bem a porta, não deixes os ventos de outono entrar e aproveita os momentos de sol.

bj

Letras de Babel disse...

muito bom.
h� a� uma contradi�ozita...mas, se calhar, � por isso que � muito bom.

:)

MJ disse...

Gosto muito de vir aqui ler o que escreves.
Toca-me a alma.
Obrigado

"As pessoas são momentos breves que desiludem"

MJ

Flávia Vida disse...

prá vc no Casulo uma homenagem ...

beijinho
:)

Mateso disse...

A desilusão sentida na ponta das palavras.
Bj.

Andreia Ferreira disse...

Dora: :)

Abssinto: Hummmm.... então e as janelas?! :)

Letras de Babel: Pois, isso é porque eu sou contraditória :) Obrigada!

MJ: Obrigada eu. A sério.

Flávia: Oh Flávia... obrigadaaaaaaaa! Beijinho grande!

Mateso: E na ponta dos dedos. Beijinho!

Arquivo do blogue