'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

10 junho, 2008

.
domingos que são rezas, lenços brancos e avé marias.
domingos que são os vestidos de folhos do tempo
guardados em baús e bocas caladas à hora da ceia.
domingos que sou eu fechada em crenças
e és tu fechado em filmes modernos.
domingos que são como que paredes altas entre nós.
.

9 comentários:

mist disse...

Poema lindíssimo como todos os seus textos. O seu blog é fantástico.

ivone disse...

odeio os domingos!

Flávia Vida disse...

suspiro gigaaaanteee para você também. para estas suas palavras escritas com dedos da alma ...

beijosss
:*)

Andreia Ferreira disse...

flávia, um beijinho grande também! :)

ivone, eu às vezes acho que os domingos sofrem de algum preconceito e que não são assim tão horríveis. embora às vezes partilhe essa tua aversão... :) *

mist: obrigada, e olá :) *

Huckleberry Friend disse...

domingos em que o fantasma da segunda-feira não se interponha entre nós e o que resta dos domingos...

mist disse...

Andreia, agradeço os seus amáveis comentários ao meu blog e às minhas rosas proibidas. *** :)

Andreia Ferreira disse...

Huckleberry Friend, de preferência domingos que afastem o fantasma da segunda-feira... ***

mist: :))) ***

verdades_e_poesia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
verdades_e_poesia disse...

Tenho tentado mudar os domingos dentro de mim... Beijo

Arquivo do blogue