'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

04 maio, 2008

Duas cidades

Anne-Julie Aubry

.

.



É um fim de tarde e há pressa pelas ruas.
As pessoas passam e não sabem
que trago a morte dentro de mim.
Não sabem que os teus olhos eram
como duas chamas e que, por olhar-te,
sou apenas cinza que se arrasta pelos caminhos.

.

É um início de noite e há pressa pelas ruas.
As pessoas passam e não sabem
que estou numa cidade e que tu estás
noutra cidade e que essa evidência
é tudo o que me resta.

.

É já noite longa e há silêncio pelas ruas.
As luzes da cidade apagaram-se
e as pessoas já dormem em suas casas.
Não sabem que tu estás num quarto
e que eu estou noutro quarto e que, por isso,
a minha cama é um caixão que acolhe o meu corpo gelado
e que a tua cama, em outra cidade,
é a palha onde se incendeiam dois corpos.

.
[Foto: Anne-Julie Aubry]

14 comentários:

* disse...

li, senti, e não posso dizer mais nada. senti.

S. disse...

e dói essa ignorância dos outros, como uma ofensa pessoal ao males da nossa alma...

Eyes wide open disse...

Reitero o que diz supra a menina Estrelinha...

Um beijinho (mega)

Vanessa disse...

eu sei que gosto de ouvir música triste, ler coisas ainda mais tristes: é um vício desgraçado... :) mas juro-te que esta música e estas palavras me caíram em cima de uma maneira impressionante. e gostei muito. daquela maneira de gostar que quase se fica de olhos muito abertos a tentar apanhar todas as letras - por tanto se sentir. a imaginar o cenário assim não tão distante e a desenhar esses olhos como duas chamas dentro da cabeça. os ouvidos atentos a acompanhar cada linha e estas vozes ao mesmo tempo e a pele num arrepio: sentidos despertos. juro que até fiquei com as mãos mais frias. isto tudo para dizer que estás sempre (sempre!) a surpreender... e não consigo dizer mais nada a não ser: lindo!! mesmo. que maneira tão bonita de dizer ausências e corações - tantas vezes - desencontrados... (suspiro) :)

e pronto, deixo um beijinho muito grande*

This fool can die now
With a heart that's soaked
How
How had it it coming
For so long.

And darling take my hand
And lead me through the door
Let's kidnap each other
And start singing our song


:)

Queen Frog disse...

q lindo, menina!

os olhos em água...


Beijinhos

~pi disse...

lindo tão fogo cinza água

palha

pedra

Andreia Ferreira disse...

~PJ: Primários, era o que deveríamos ser mais :) *

Queen Frog: Ohhh, obrigada :) Beijinho grande!

Vanessa: É como tu me surpreendes sempre com esses teus comentários gigantones lindos :) E esta letra, escrita, ainda me mata mais... Obrigada. Mesmo também! Beijinho grande!

Eyes Wide Open: Obrigada, obrigada, obrigada (é uma mega obrigada) :) Beijinho.

S.: Sim, dói, tantas vezes. No meu caso, é quase sempre uma dor calada. ***

*: E já é tanto!!! Um beijinho grande

Vertigo disse...

Opá..tiraste-me as palavras do coração*****

Andreia Ferreira disse...

Vertigo: Que bom :) Beijinho

Rute disse...

... Maldade, que maldade...

Andreia Ferreira disse...

Rute: I don't think so... Acho que é mais inevitabilidade, desajustamento do tempo, distância.

rosasiventos disse...

the book of life

Rute disse...

...Mas a verdade é que trago a morte no meu corpo, e fui mutilada, e estou numa cidade e ele ficou noutra, noutro pais. Dois dias que trouxeram a morte ao meu corpo sem eu pedir, sem eu querer, deu-me vida precedida do gosto da morte...

Andreia Ferreira disse...

Rosaiventos: sometimes. *

Rute: Um abraço :) ***

Arquivo do blogue