'Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! E eu acreditava. Acreditava porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis'

11 setembro, 2007

O sofrimento



Porque há dias que questionam.
Valerá um sonho a queda do despertar?



"Penso: talvez o sofrimento seja lançado às multidões em punhados e talvez o grosso caia em cima de uns poucos ou nada em cima de outros. Não a dor, não as pernas trôpegas de nódoas negras, não as costelas partidas a colar entre o sangue pisado, não a cabeça a rachar-se em tentáculos como raios, não a pele das paixões acabadas a abrir rasgões fundos em carne como vergadas de uma impotência absoluta; mas o sofrimento, permanente e constante, como todos os ossos expostos a furar os músculos e a pele."





Porque há músicas - como esta que toca ao lado - que, tal como a vida, se encontram numa espécie de corda bamba. No momento dos sorrisos, equilibram-se. No momento das desilusões - esperadas - caem no abismo.

"Love is not a victory march.

It´s a cold and it's a broken hallelujah"

Excerto: José Luís Peixoto

Fotos: Lilya Corneli

15 comentários:

Mateso disse...

But still is an hallelujah...while a sorrow or a grief is just a cry.
Hugs

Andreia Ferreira disse...

I guess you're right :)

Beijinho

Por entre o luar disse...

Grande post dim sr:)

Adorei... a vida é mesmo isso, umas vezes bem outras mal, é pena nos nao sabermos aproveitar os momentos bons e dar menos importancia aos maus, para que deste modo eles nunca caissem no abismo...:)

Beijo*

s. disse...

essa imagem já a colocaste cá uma outra vez certo?

valerá o sonho a queda do despertar? (essa pergunta, talvez de outra forma, tem-me perseguido estes últimos meses)

e essa música do jeff é das mais bonitas alguma vez feitas por alguém.

Andreia Ferreira disse...

Por entre o luar: sabes que acho que não são os momentos bons que caem no abismo. Mas nós. Eles vão-nos ajudando a regressar à tona. Nem que seja para voltar a cair. Obrigada :)

S: Acho que nunca tinha colocado aqui nenhuma das imagens. Mas agora deixaste-me na dúvida...
Em relação à Hallelujah não podia estar mais de acordo. (Confesso que, se algum dia tivesse que escolher a minha preferida, esta ficaria provavelmente em primeiro lugar).

Beijinhos!

Vanessa disse...

Deixas-me assinar por baixo, hoje?

(...)

*

Eduardo Jai disse...

Gostei de passar por aqui e o Jeff Buckley ajuda sempre a tornar uma estadia mais confortável ainda.

um dia bom.

Manuelinho disse...

A vida é ela mesma um equilíbrio instável.
Bom dia para ti, AF

Bruna Pereira disse...

Vou sentar-me na cadeira e esperar que a mão me diga o que dizer. Aqui. A ti.

Beijinho grande*

CNS disse...

E onde estão os guarda-chuvas que nos resguardam desses punhados de sofrimento? Será que não existem, ou apenas nos esquecemos do sitio onde os guardamos?
Mas podemos sempre esperar que a roupa e a pele molhada pela dor sequem no proximo espreitar do sol...

um beijo

s. disse...

tinha ideia que já tinha visto essa imagem por aqui mas deve ter sido noutro lado :)

Manuelinho disse...

Onde andas A.?
Bjs

Vanessa disse...

s.,

se calhar viste a imagem no meu blogue! Ehehehe!

:p

Beatriz disse...

Não podia estar em maior sintonia... Mas, sabes, eu fiz disso crença... o sonho cuidado e medido ao milimetro para que acordar não custe tanto. Mas à minha volta, sonhar assim custa tristeza aos outros. E trazer o medo ao peito , começo eu a descobrir, parece que não é apenas o grosso do sofrimento que cai em cima de nós, mas nós que não nos abrigamos nem desviamos dele...

enfim... :)

Solitária disse...

O sofrimento faz parte do nosso processo de crescimento pessoal. As vicissitudes fortalecem-nos e permitem-nos criar anti-corpos. É um processo doloroso e difícil, eu sei... Não obstante, devemos manter a luzinha da esperança sempre acessa dentro de nós.

Arquivo do blogue